Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Fwd: RE: A reinvenção da amizade


Mensagem original
De: jose carlos lima < jose.carlos.lima@hotmail.com >
Para: jose.carlos.lima@hotmail.com,jl2006@uol.com.br
Assunto: RE: A reinvenção da amizade
Enviada: 08/12/2005 12:38

visão - forma - conhecimento


Parte 1: visão

Edson,

partindo desse ponto "A reinvenção da amizade"
até que ponto tenho feito por onde ter amigos?
nada
engraçado....
desde a infância, por volta de 12 anos de idade, me debato com a amizade
com a busca da amizade
talvez aí tenha surgido a burca
o ocultar-se



o simular um corpo que não existe
dias atrás sonhei que eu era uma árvore
uma árvore que estava embrulhada por um tecido=juta
a árvore foi desembrulhada
e dali brotaram vários rostos
pensando nisso, gostaria sim de ser desembrulhado=livre=espontâneo
sem burcasem outro corpo
no entanto...
preciso de que?
sinto que nada que eu disse agora tem qualquer coesão
é tudo sem sentido
um momento.... vou ligar para um amigo
ao invés de escrever, vou dizer isto para ele
quero dizer da minha imaturidade afetiva
como sou imaturo!!!
o simples fato de lembrar que tenho um amigo já me faz bem
não preciso nem ligar

...................... fim do momento visão.....


............. Parte 2: forma...................

imagino-me chegando ao Res-do-Chão

chego usando uma burca de juta.

entro na casa

vou direto para a pia do banheiro

começo a escovar os dentes

creme dental= sabonete

tomo banho com sabonete

não sei ao certo se vou tirar a roupa para tomar banho

não...

não é esta a minha intenção

..................fim do momento forma......... ........

............................. Parte 3: conhecimento............


após a elaboração da visão e formas, momentos anteriores, agora tomo
conhecimento do quanto, apesar de sempre ter buscado, tenho fugido, não
sabido lidar com, ou não percebido a importancia da amizade, agora sei o
quanto sou imaturo, um distoante da realidade, um perdido no mundo. porque
nunca encontro a simplicidade=espontaneidade que sempre busquei?
quando=como=porque a perdi? foi a partir deste momento que me perdi.

bjs, jose carlos

...................... fim do momento conhecimento...........

O que é isto?
Isto é um exercício de busca da amizade, da superação da imaturidade, do ser
simples, etc, não sei ao certo

Este e-mail foi transmitido, no momento, somente para Edson Barrus com
cópia oculta para Ney Matogrosso. Pode ser que, posteriormente, após um
breve p eríodo na geladeira, eu o encaminhe para terapêutas, artistas, etc.
Talvez eu estivesse enviando isto somente para terapêutas. Ah sim, estou
enviando uma cópia oculta para a minha terapeuta e para um psiquiatra.
Imagino uma cidade na qual pessoas assim como eu se expressam apenas para
terapeutas.

Você tem duas opções:

( ) continuar acompanhando ISR
( )cancelar respondendo com cancelar



>From: edson_barrus
>To: jose.carlos.lima@hotmail.com
>Subject: A reinvenção da amizade
>Date: Tue, 6 Dec 2005 13:13:12 -0200
>
>
>...fico pensando se com a Burca , que tem muito a ver com o trabalho Homem
>com Bunda de Mulher, voce nao estaria dentro dessa 'atitude avestruz' que
>voce escreveu antes, de esconder o rosto, adiando e jogando para debaixo do
>tapete a sua verdadeira ideia...
>
>
>A reinvenção da amizade
>Margareth Rago
>
>
>Éticas dos Amigos: invenções libertárias da vida
>Edson Passetti
>São Paulo, 2003
>Imaginário
>Tel.:3864-3242
>292 páginas
>R$ 35
>
>Poucos duvidam de que ter amigos é um dos bens mais preciosos em nossos
>tempos, marcados por muita descrença e insegurança. Ao mesmo tempo, quase
>todos entendem que os amigos são poucos, defendendo-se para com os demais
>uma relação de distância e desconfiança. Mal nos damos conta do modelo de
>amizade que praticamos, modelo cristão pautado na família e confinado ao
>privado, mesmo quando bradamos contra a destruição da esfera pública, a
>privatização da vida social, ou a atomização do indivíduo.
>
>Ainda recentes, as discussões sobre a difusão do modelo privatizado da
>amizade, que associa o amigo ao irmão vêm, cont udo, revelando que outros
>modos de relação consigo e com os outros, fundados na solidariedade e no
>respeito à diferença são possíveis. Mais que isso, são necessários para a
>tão desejada reinvenção das formas da sociabilidade e da subjetividade.
>
>É na direção dessas problematizações que o livro de Edson Passetti aponta,
>aprofundando uma importante discussão ética da atualidade: as
>possibilidades
>da amizade entendida como vida em expansão, ou como afirmação de
>existências
>livres.
>
>Professor de Ciências Políticas da PUC-SP, Passetti tem-se destacado pela
>crítica ousada e pelo corajoso enfrentamento de temas políticos da mais
>alta
>pertinência. Seu trabalho gira em torno da busca de um fundamento ético
>para
>a reinvenção das relações intersubjetivas e associativas, assim como uma
>reatua lização do anarquismo, de modo a escapar da herança humanista do
>passado.
>
>Coordenador do Núcleo da Sociabilidade Libertária, do pós em Ciências
>Sociais dessa Universidade, Passetti publica atualmente a revista Verve,
>dedicada a temas libertários e é autor de vários livros e artigos
>referentes
>à violência contra as crianças e ao abolicionismo penal.
>
>Éticas dos Amigos pergunta pelas "invenções libertárias da vida", propondo
>uma genealogia da amizade no pensamento ocidental, especialmente quando
>formulada em relação às práticas da liberdade. Embora realize uma ampla e
>erudita historicização dos múltiplos sentidos atribuídos à amizade desde a
>Antigüidade clássica, seu principal alvo de investimento dirige-se à busca
>comprometida das experiências outras das práticas da amizade, para além dos
>conhecidos parâmetro s do presente.
>
>A amizade que Passetti elege não se refere, portanto, à relação
>confortante,
>especular e íntima estabelecida entre iguais, através da qual reforçam a
>própria identidade e excluem os diferentes. Nem tampouco à aliança
>garantidora da paz perpétua promovida pelos Estados contra o inimigo comum.
>Antes, trata-se da busca inquieta pelos vínculos intensos que viabilizam
>associações libertárias, no presente, geradoras de estilos de vida
>não-hierárquicos, como querem os amigos La Boétie, Nietzsche, Stirner,
>Foucault e Deleuze.
>
>DESASSOSSEGO – Ao questionar a frase canônica de Aristóteles — "ah, amigos,
>não há amigos" —, Passetti afirma: "A mim tocou a frase de Nietzsche 'ah,
>inimigos, não há inimigos', pelo desassossego que traz e pela bravura em
>reconhecer no amigo o melhor inimigo, o guerreiro que desest abiliza mas não
>destrói, em oposição à amizade como bem superior, pacificação do conflito
>interno e exterior à cidade".
>
>Acompanhado por esses filósofos, o autor visita epicuristas e estóicos,
>diferencia La Boétie de Montaigne, chega a Nietzsche e aos anarquistas
>clássicos, em especial a Max Stirner, evidenciando os elos que os
>aproximam,
>ou diferenciam na reflexão sobre a amizade.
>
>Com Foucault, encontra nos modos de subjetivação dos gregos e dos romanos
>experiências radicalmente diferentes da sujeição contemporânea: longe de
>visar a produção dos "corpos dóceis" submetidos a um código moral
>autoritário, eles cultivavam livremente os usos dos prazeres e os cuidados
>de si. Relações de amizade se constituíam, pois, em experiências éticas que
>almejavam a estetização da existência, em práticas da liberdade que
>permitiam fazer do indivíduo um ser livre, capaz de se auto-governar, antes
>mesmo de poder governar os outros e a pólis.
>
>Vários capítulos compõem este ensaio lúcido e apaixonado, que discute
>historicamente modos de coexistência, estilos de vida e formas da amizade,
>convergindo para as possibilidades da criação de inúmeras "associações"
>libertárias no presente.
>
>É neste momento que o livro atinge seu ponto alto, ao fazer vibrar, ao lado
>dos anarquistas clássicos, o pensamento de Stirner, incompreendido em
>função
>de sua defesa radical do individualismo. Novamente, a leitura irreverente
>de
>Passetti subverte as imagens cristalizadas: ao contrário do egoísmo
>narcisista que lhe é freqüentemente atribuído, a defesa stirneana do Um
>aparece como condição de possibilidade da afirmação libertária da amizade
> entre iguais, mas diferentes.
>
>A ética proposta por Passetti supõe que "amigos libertários inventam
>existências, abalam o indivíduo, a sociedade e o Estado." Em suas palavras,
>"A ética dos amigos não é a ética da amizade, um procedimento privado da
>moral. Ela é presente, é agora. Não é a ética da vida boa, hedonista e
>feliz. Ela se instrui na convivência amistosa com os outros que partilham
>deste estilo de vida como arte de viver. Não busca o universal, o idêntico
>ou afinidades. Mas vitalidades, vontades de potência, combates e embriaguez
>possíveis para fazer emergir subjetividades constituintes."
>
>A esse trabalho se entrega também o autor, convidando-nos a estabelecer
>laços libertários e horizontalizados de amizade, como inimigos e guerreiros
>desestabilizadores, desejosos de criar e de se reapossar do mundo, aqui e
>agora.
& gt;
>Margareth Rago é professora livre-docente do departamento de História da
>Unicamp; tem diversos livros publicados, sendo o último Entre a história e
>a
>liberdade – Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo (Unesp, 2001).
>
>

_________________________________________________________________
MSN Messenger: converse online com seus amigos .
http://messenger.msn.com.br


Nenhum comentário: